fbpx
Início Matérias Primeiro advogado negro brasileiro

Primeiro advogado negro brasileiro

Luís Gonzaga Pinto da Gama. Este nome pode ter sido esquecido por muitos brasileiros, mas por aqueles que relembram sua ancestralidade, a respeitam e preservam, Luís Gama representa a força e a dedicação do povo negro em pleno século XIX.

Filho de mãe negra livre e pai branco, Luís se tornou um abolicionista, orador, jornalista, escritor brasileiro e o Patrono da Abolição da Escravidão. Apesar de não ter cursado nenhum curso de direito, ele também é considerado o primeiro advogado negro, uma vez que foi responsável por conquistar judicialmente a própria liberdade e de vários outros negros brasileiros.

Entre os destaques desse grande representante da liberdade do povo negro, está o de ser um dos raros intelectuais negros no Brasil escravocrata do século XIX, o único autodidata e o único a ter passado pelo cativeiro, dos 10 aos 17 anos.

Sobre sua mãe, o próprio escritor a descreve como “uma negra, africana livre, da Costa Mina (Nagô de Nação) de nome Luísa Mahin, pagão, que sempre recusou o batismo e a doutrina cristã (…) Dava-se ao comércio – era quitandeira, muito laboriosa, e mais de uma vez, na Bahia, foi presa como suspeita de envolver-se em planos de insurreições de escravos, que não tiveram efeito”.

Foi durante o cativeiro, em sua infância, que Luís Gama aprendeu a ler e escrever, reconquistando sua liberdade, uma vez que nasceu livre e pode provar. Em 1859 publicou a coletânea Primeiras Trovas Burlescas, recheada de poemas satíricos, onde fez sua crítica política e social a respeito da sociedade brasileira. Nessa obra, ele também denunciou as questões raciais do ponto de vista negro, em primeira pessoa.

A paixão pela escrita também o rendeu participação em vários jornais, onde escreveu sobre a causa republicana e abolicionista. Os periódicos que receberam a contribuição do advogado e escritor foram Diabo Coxo, Cabrião, Correio Paulistano, A Província de São Paulo, Radical Paulistano, A Gazeta da Corte, onde atuou junto com outros abolicionistas negros como Ferreira de Menezes, André Rebouças e José do Patrocínio.

Além disso, Luís também fez parte do Radical Paulistano, que era um órgão de comunicação do Partido Liberal Radical, Abolicionista e Republicano. Nele, o escritor denunciou violações das leis por parte dos representantes dos senhores. Denunciava sentenças e apontava os erros cometidos por juízes e advogados.

Como prova do seu compromisso em libertar os negros vindos e nascidos no Brasil, Luís Gama utilizou uma brecha na lei de 7 de novembro de 1831 que dizia que o tráfico negreiro estava extinto. Dessa forma, o advogado lutou para tornar livres todos os negros e todas as negras trazidos para o país depois desta data. Ele fez este trabalho de forma gratuita e conseguiu libertar pessoas em vários locais do Brasil.

Débora Eloyhttp://www.obirin.com.br
Por definição: companheira, caridosa, desenrolada, amorosa, avexada, doce, paciente, disposta. Por autoria: estabanada, carente e abestalhada

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.